In Brazil’s capital, a black youth is six times more likely to be murdered than a white youth

Audiência pública na Comissão de Direitos Humanos da Câmara discutiu a violência contra a juventude negra

Note from BW of Brazil: We can never discuss this issue too much. The genocide that Brazil has apparently declared against black youth is a serious problem in a number of cities throughout the country. The rates of murder affecting this demographic has even been recognized by Amnesty International. And the Federal District region of the country is unfortunately one of the areas that needs much attention and investigation. Violence and racial discrimination in the nation’s capital was the topic of a recent award-winning film and a recent public hearing sought to shine more light on the problem. 

A black youth in the Federal District is six times more likely to be murdered than a white youth

Courtesy of the Câmara dos Deputados

Of every 100 young people killed in the Distrito Federal (DF or Federal District), 85 are black. This mortality of young blacks stems largely from latent racism, said Larissa Borges, representative of the Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Secretariat for the Promotion of Racial Equality of the Presidency of the Republic) in the public hearing held by the Commission on Human Rights and Minorities that discussed on Wednesday, April 22nd, the situation of these young people in the DF and the surrounding region. Overcoming this violence requires the deconstruction of the culture of violence, strengthening mechanisms of social participation and cooperation and joint work of the institutions, she said.

Debate and public hearing on violence against young blacks in Brazil's Federal Disctrict

Debate and public hearing on violence against young blacks in Brazil’s Federal Disctrict

“There are people who are more killable, their lives matter less,” she said. According to the manager, the numbers were collected between the years 2000 and 2011 and show a genocide. In the country, she said, two young black men die per hour.

In 2011, 27,471 young people between 15 and 29 years of age were victims of homicide in the country – 71.4% of young people killed were black. In facing this social trauma, the management presented a series of campaigns by the government, such as: “Reaja ou será Morto” (React or be killed), “Viver sem Nada, Morrer por Nada” (Living without Nothing, Die for Nothing), “Do luto, à luta” (From mourning to the struggle), “Eu pareço suspeito?” (Do I look suspicious?)

The public hearing was held in conjunction with the Defense Commission of Human Rights of the Legislative Chamber of the Federal District. Representative of the Secretaria do Enfrentamento ao Racismo no DF (Secretariat for the Combat of Racism in the DF), Carlos Alberto de Paulo asked: “What brought us to this situation? How did we build such an effective model of a racist society in which the violator and violated don’t feel themselves as such?”. Carlos Alberto cited a situation that he experienced in South Africa, on a visit to that country eight years after the abolition of apartheid. When faced with a situation where young blacks, whites and Indians did not mix he questioned why this distance was maintained after the fall of apartheid. Young people then said to him that their generation was the victim of a cultural construction. But one young man said that Brazil had the most sophisticated racist system. “How did you get to be so effective?”, he asked.

Larissa Borges of the Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República

Larissa Borges of the Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República

In the opinion of Carlos Alberto, Brazil was not only silent, “it was an inducer of racism.” “The past constitutions had negative policies for the black population,” he said. For the DF manager, “the model of a racist social will not be extinguished if a nation project were not prioritized,” in this sense.

The Secretário da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa (Secretary of the Defense Commission Defense of Human Rights, Citizenship, Ethics and Parliamentary Decorum of the Legislative Chamber), Hamilton Pereira, said the violence is institutionalized. The exercise of power is practiced by the State or by private companies for whom violence is outsourced. “There are particular forces repeating the tradition practiced by large landowners, now in the cities, with gunmen and capitães do mato (sell-outs) (1),” he said.

Rapper GOG participated in the hearing

Rapper GOG participated in the hearing

Professor Evandro Piza, of the University of Brasília, said the police approach in the country and compared to the reality in the United States, where the lethality, it is said, is lower than in Brazil. “The police cannot have that absolute power. This absolute power is what justifies the right to kill.” He said. To the scholar, “there is an indifference of the police institution in relation to the rights of the black population.”

Voices of protest

The singer and musician Genival Gonçalves, better known as GOG, said Brazilian society is currently experiencing a “great mental intoxication.” There is an inversion of values, in his opinion. “Today we discuss outsourcing of work and not the PL 4471/12 (that amends the Criminal Procedure Code and provides for the investigation of deaths and injuries committed by police during work), which is an issue of life.”

According to the musician, society is more interested in discussing the life of blacks who achieved professional success than discussing the situation of blacks in the country.

Neemias MC gave a personal life account. Abandoned by his mother, adopted by a dysfunctional family, he said that he lived on the streets and in shelters in the DF. He was picked by police and suffered threats. He experienced harassment, embarrassing and inhumane treatment. “The State didn’t guarantee education and food to me, but prison yes,” he said. Neemias, as well as all components of the hearing were against the reduction of legal age. The MC also said that the Court is silent on the issue of racism and the media is biased.

Neemias MC - 'You're disgusted by me because I'm poor and black, I'm disgusted by your soul that carries prejudice' -

Neemias MC – ‘You’re disgusted by me because I’m poor and black, I’m disgusted by your soul that carries prejudice’ – “Fruto do sistema”

Táta Luangomina, priest of African-oriented religion in the Caxuté community, reported an experience of violence against freedom of beliefs that he suffered in Bahia.

Táta Luangomina

                                                  Táta Luangomina

Deputies in opposite positions

For the Deputado (Congressman) Jean Wyllys (PSOL/RJ), the black populations suffers in the presence of the state, when police act in a violent, militarized way; and in the absence of the State, when it opens space for activities of (drug) trafficking and militias.

Deputado Jean Wyllys

                                                         Deputado Jean Wyllys

For Deputado Erika Kokay (PT/DF) said that the fight against racism becomes even more difficult with what she called the process “symbolic dehumanization” and “naturalization of violence” that happens in everyday life.

Deputado Major Olímpio (PDT/SP) said that references to the police action at the public hearing were “prejudiced”. “We cannot say that the police are causing this (racial profiling).” In the opinion of the deputado, who was against the exacerbation of police violence, racism exists in society.

SourceCâmara dos Deputados

Note

1. Capitão do mato (in the singular) was the title given to the black man whose main task was to hunt down, capture and return fugitive slaves to captivity in Brazil’s slavery era. Brazilians use the term to define blacks who collude to disrupt the success of other blacks, similar to the manner in which African-Americans refer to the “crabs in the barrel” mentality, “Uncle Tom” or “house negro”.

Fonte: In Brazil’s capital, a black youth is six times more likely to be murdered than a white youth

Caxuté sedia reunião de fundação do Mutirão dos Territórios do Baixo Sul

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas, árvore, planta, tabela e atividades ao ar livre

Comunidade Caxuté – Assessoria GAJUP

A Comunidade de Terreiro do Campo Caxuté, sediu  a reunião de fundação do Mutirão das Comunidades dos Territórios do Baixo Sul. O encontro foi realizado no dia 6 de fevereiro deste ano. Veja o comunicado completo com informações da página oficial do Mutirão:

Território, justiça e dignidade!

Reunidos na Comunidade Caxuté (Valença), nós militantes sociais, povo de terreiros, quilombolas, pescadores e pescadoras das comunidades de Tereré (Vera Cruz), Cova de Onça (Cairu), Ilha do Contrato (Igrapiuna), Graciosa (Taperoá) e Batateira (Cairu), com o apoio do Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP) fundamos o Mutirão dos Territórios do Baixo Sul. Somos uma rede, uma articulação, fórum de territórios que vem atuando há mais de dois anos na defesa de nosso povo, nossas tradições e condições de sobrevivência em nossas comunidades. Decidimos nos reunir e organizar o processo de resistência a um sistema que avança agressivamente sob a terra onde vivemos, onde nossos pais viveram e antes deles nossos avós. Nossa luta é para que nossos filhos, netos e os netos de nossos netos possam nela permanecer vivendo com dignidade. O mutirão é nossa palavra, pois é assim como nossos antepassados conseguiram sobreviver juntos. Fosse para plantar ou colher, para pescar ou tratar, para construir ou se defender, o mutirão era a forma de organização coletiva para benfeitorias na vida comunitária. Nossa ação não pode ser menos do que isto.

A imagem pode conter: texto

E foi buscando firmar esta tradição de resistência muito antiga que decidimos construir mais uma ação conjunta na Comunidade Quilombola de Graciosa entre os dias 17 e 19 de março de 2017. Lá vamos aprender a manejar e instalar um sistema agroflorestal. Queremos melhorar as condições de alimentação e de proteção do meio ambiente onde vivemos. A agroecologia é um caminho para a autonomia que sonhamos. Para isto – e em solidariedade à nossa luta – receberemos os companheiros e as companheiras da Teia dos Povos (fundada por sem terras, quilombolas e indígenas no sul da Bahia). Estaremos também tecendo esta TEIA e fortalecendo as alianças entre os muitos povos da terra, dos terreiros, das águas e das florestas. Em Graciosa seremos muitos e seremos firmes para construir um outro mundo que não este de golpes, de perda de direitos e de ódio.

Desde a Comunidade do Caxuté, Valença (Bahia), fevereiro de 2017.

Fonte:  https://www.facebook.com/territoriosbaixosul/

COMUNIDADE CAXUTÉ ENTREGA PRESENTE ECOLÓGICO DA COSTA DO DENDÊ A SAMBA KALÚNGA: pela Autonomia do Povo de Terreiro

caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-13

Cortejo do presente Ecológico Samba Kalúnga

Cerca de cem (100) membros da Comunidade Caxuté, em Maricoabo, Valença-BA, entre bebês de colo, crianças, jovens, adultos e idosos participaram, neste dia 02 de fevereiro, de um dos mais importantes rituais do Candomblé Angola – Kongo  da Costa do Dendê, o presente a Mam´etu Samba Kalúnga. O presente ecológico de balaio de palha de dendê e cipó, contendo alimentos (raízes, frutos e grãos) destinados à Nkisi, flores e perfumes naturais marca a retomada do ritual, após quase uma década. A decisão foi de toda a comunidade que caminhou do km 11, onde fica o Kunzo Nkisi Nkasuté Ye Kitembu Mvila, até a ponte de Graciosa -, divisa entre os municípios de Valença e Taperoá-BA, às margens  do Rio Vermelho, onde tomaram os barcos até o alto mar para realização do ritual. O local marca o aporte de negrxs bantus escravizados naquela região.

mapa-da-comunidade-caxute
Mapa de localização da Comunidade Caxuté, Fonte: Google

Este festejo religioso celebra a luta pela auto afirmação da identidade Bantu, congo-angola presente no Baixo Sul da Bahia. A entrega do presente de Samba Kalúnga, da Comunidade Caxuté é a expressão de um macro planejamento de autonomia e soberania dos terreiros e a marca da resistência ancestral da memória histórica, política, cultural e intelectual. A militância política institucional da Comunidade Caxuté tem prezado pela luta contra violência religiosa na Costa do Dendê, por meio de militância e trabalho com educação.

Para esta comunidade religiosa este é um momento de afirmação da tradição do candomblé de matriz africana Bantu e também indígena. Esta festa simboliza o encontro da África com o Brasil, em estado de solidariedade e integração, num jamberesu (culto as divindades do candomblé angola). Por estes motivos a comunidade decidiu optar pela autonomia de caminhar contra a violência religiosa, pela afirmação dos rituais, em crítica ao uso feito costumeiramente pelo Estado e suas instituições dos cultos afro-brasileiros.  “A comum utilização das tradições como vitrine de uma suposta democracia racial que não existe tem nos incomodado” afirma Kafurengá, Mam´etu no Kunzo Caxuté, “o que vemos mesmo é nossa identidade violada por várias opressões coloniais”, continua ela.

Mesmo numa data onde em vários países ocorrem celebrações que fazem referencia à memória ancestral histórica das tradições de Matriz Africana (Kaiala e Iemanjá), notamos que o “protagonismo” dos candomblés é substituído por um discurso hegemônico que considera dia dois de fevereiro como uma “festa” popular, onde as vozes do povo de terreiro são suplantadas por reportagens midiáticas, palanque político eleitoral, ações pontuais do poder público, dentre outros, que quase nunca debatem temas estruturais com a comunidade negra, mas, que nesse momento encenam apoios a partir dos órgãos oficiais de Cultura e Turismo. Ou seja, muito barulho e pouca ação efetiva, concreta e continuada. Exatamente por isso a Comunidade Caxuté voltou a sua antiga e tradicional forma de comemoração. Usualmente, depois dessa data, os cultos de Matriz Africana só aparecem no sincretismo religioso de lavagens das escadarias das igrejas católicas, ou como, alegorias.

As questões das comunidades negras de terreiro perduram o restante do ano: o racismo, a violência religiosa – violência da bancada evangélica congressista , violação de terreiros e filhxs de santo e Mukixi – e a ausência do estado laico. O ano de 2017 iniciou mostrando que as dificuldades vividas historicamente pelo povo negro só tendem a aumentar. Com a implantação e consolidação do golpe parlamentar, jurídico e midiático, produto de um sistema político que é submisso aos interesses econômicos, todas as medidas propostas pelo governo ilegítimo reduzem ou exterminam direitos conquistados com a luta do povo. A estas dificuldades a resposta é a afirmação das tradições, rituais e festa conforme a escolha da comunidade, construindo a identidade Bantu.

Fevereiro de Kalúnga

Durante o mês de fevereiro, historicamente se celebra Kaiala, essência das águas salgadas, Nkisi do mar e seus elementos. Mas, em nome do chamado sincretismo religioso, essa comemoração é vista como um espaço diversificado, muitas vezes ecumênico, contudo o que observamos é uma tentativa de apropriação cultural, onde a ancestralidade dos povos de matrizes africanas são subjugados à perspectiva que transforma nossos valores em folclore, diversão para turistas ou alegoria para legitimar ações do estado. “O mesmo estado que exclui e intencionalmente inviabiliza a vida do povo negro, tenta de maneira oportunista se apropriar das nossas celebrações”, diz Táta Luangomina, que assumi o posto de Taata Bankisi da Nzo Caxuté.

Kalúnga  é divindade eminente do Candomblé Angola, representação insigne da tradição Bantu. A grande mãe é incomensurável, ela é infinita, é a própria massa líquida que circunda os continentes. É o oceano, o mar. Kalunga é o próprio vácuo, o abismo, infortúnio, a desgraça, a peste, a calamidade, morticínio, Kalúnga é a morte. É a excelência, a eminência senhorial. É a representação da grandeza. Kalúnga é a eternidade, é o além, é uma das divindades que é responsável pela construção e a destruição do fio da vida. Kalúnga é a deusa da família, Samba é a vida.

Kiuá Mam´etu Kaiala, Kalúnga, Samba, Mikaiá, Kokuetu, Kianda, Kaiatumba…
Candomblé Congo-Angola resiste! Caxuté emancipando a mente da gente!
Kizomba Kaiala nas águas de Graciosa, que esse presente ecológico celebre no mar a resistência popular d@s ribeirinhos, marisqueiras, pescador@s e comunidades de Ndanji Africana.

“A tarefa dos terreiros é lutar por autonomia, preservação da memória ancestral e resistir junto ao povo negro e indígena” finaliza Mam´etu Kafurengá.

caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-6caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-7caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-4caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-5caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-15caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-16caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-18caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-9caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-10caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-11caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-12caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-14P1060310.JPGcaxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-1Caxuté - Samba Kalúnga - Kaila Costa do Dendê (21).JPGcaxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-20caxute-samba-kalunga-kaila-costa-do-dende-3

REALIZAÇÃO: COMUNIDADE CAXUTÉ

REDE DE APOIO: Rede Mocambos, TEIA dos Povos, Koiaki Sakumbi, Casa do Boneco, FENACAB – Coordenação do Baixo Sul da Bahia.

https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fcaxuteoficial%2Fposts%2F1786921041321612&width=500“>Deixe seus comentários em nossa página do facebook: COMUNIDADE CAXUTÉ ENTREGA PRESENTE ECOLÓGICO DA COSTA DO DENDÊ A SAMBA KALÚNGA: pela Autonomia do Povo de Terreiro

Comunidade Caxuté tecendo a Teia dos Povos

16128773_10208100192291887_69150581_n

Mística de abertura da primeira reunião da Teia dos Povos, 2017

Entre os dias 12 e 15 de janeiro do ano de 2017, a Comunidade Caxuté, participou da primeira reunião do ano da Teia dos Povos, estiveram presentes comunidades camponesas, movimentos sociais, coletivos de universidades, povos indígenas e de terreiros do campo e demais convidad@s. O encontro ocorreu no Centro Integrado Florestan Fernades às margens do Rio Aliança, no Assentamento Terra Vista.

p1040262

Ao longo dos dias foram debatidos temas estratégicos para a organização popular dos povos que lutam em defesa do território, da soberania alimentar e da Agroecologia.

Embora o cenário nacional e internacional esteja assustador, em meio a crise, conflitos, governos tiranos, entendemos que a organização do povo é a única possibilidade para que @s oprimid@s do mundo possam continuar caminhando e sonhando com dias melhores baseados no Bem Viver, superando essa estrutura capitalista, consumista que sufoca e mata o povo negro/preto, pobre, índio e camponês.

Neste sentido a Comunidade Caxuté compartilhou sua zuela de paz dedicada ao Tat´etu Nlemba e apresentou suas contribuições para fortalecer os princípios da Teia dos Povos, apontando que a ancestralidade é um importante instrumento de luta, quando conectada à resistência d@s noss@s antepassados, sem os quais dificilmente avançaremos rumo à novas conquistas. Nesse intuito, o movimento indígena convidou a tod@s presentes, que ao voltarem para as suas comunidades, realizem suas assembleias, atividades e rituais durante a Lua Cheia de cada mês, fortalecendo assim o elo de ligação com a natureza e @s encantad@s.

Espaços como esse obrigam o indivíduo a desprender-se, senão por completo, pois cada um possui sua bagagem de experiências, mas de quase tudo que lhe foi ensinado, ambientes como esses ensinam a se permitir a aprender de novo, se repensar, reinventar, sob o olhar descolonizado dos mais antigos. (…) Cuidar do outro, e entender que nosso papel não é reproduzir opressões, mas quebrar essas correntes. Dar nome aos nossos fantasmas e destruí-los (Capitalismo, machismo, racismo, etc.). Homens e mulheres, jovens e idosos, caminhando lado a lado, transbordando respeito, coragem e amor. Afirma: Andréa Souza, integrante do GAJUP/UNEB – Campus XV.

A Comunidade Caxuté foi o primeiro núcleo de base à compor a Teia dos Povos no Baixo Sul da Bahia, isso nos dá imensa responsabilidade e nos desafia a fortalecer, cada vez mais a militância dos Terreiros do Campo, junto aos movimentos sociais de luta pela terra, defesa do território e do Bem Viver.

Durante o encontro a Comunidade Caxuté se colocou a disposição para contribuir com a construção das Escolas dos Povos, em especial através da consolidação da Escola do Quilombo, do Terreiro e do Tambor. A comunidade pretende semear experiências educativas emancipadoras como a Escola Caxuté que foi criada sob a coordenação de Mam´etu Kafurengá à mais de uma década, se consolidando como a Primeira Escola de Religião e Cultura de Matriz Africana do Baixo Sul da Bahia, espaço onde preserva e compartilha saberes dos povos Bantu e do legado histórico presente nos terreiros da nação angola localizados neste território baiano.

16118389_10208100189731823_729327511_n

Contribuições da Comunidade Caxuté por Táta Sobodê de Gongobila

Mais a diante, a Comunidade Caxuté compartilhou sua agenda de atividades e assumiu o compromisso de coordenar juntamente com coletivos do Baixo Sul, o 3º dia de trabalho da V Jornada de Agroecologia da Bahia que ocorrerá entre os dias 19 e 23 de abril no município de Porto Seguro – BA.

16128906_10208100187051756_784453825_n

Que o muki dos mikisi nos guie rumo a melhores dias para o povo, Nzambi nos dê sabedoria para cuidar do ntoto e que cada ser possa desfrutar da liberdade de viver sem medo da ganância e covardia que cega os tiranos que oprimem a humanidade.

Sakidila!

Relato de Táta Sobodê e da ndumbe Juliana de Hooxi Mukumbi, membros da Comunidade Caxuté.

Agradecimentos: a Andréa Souza do Grupo de Acessória Jurídica Popular da UNEB/Campus XV e a todos os elos e núcleos que tecem a Teia dos Povos.

Chamamento a Tecer a União dos Povos

Quando o calendário Maia sinalizava o fim dos tempos em 2012, o que muitos não perceberam foi que esse prenúncio anunciava o fim de um ciclo, o colapso da ordem vigente, começava ali a ruir o velho e a ascensão do novo. Nós da Teia dos Povos acolhemos a mensagem do povo guerreiro do sol e começamos a semear os frutos com a realização da I Jornada de Agroecologia, no Assentamento Terra Vista no sul da Bahia, onde caminhamos rumo à unificação da luta dos povos historicamente oprimidos pela invasão portuguesa, a elite escravocrata e a chibata dos coronéis.

Neste momento, a Conjuntura atual nos mostra a falência do estado democrático burguês, já que as grandes corporações, o latifúndio ideológico midiático e a economia baseada na especulação financeira sepultaram qualquer possibilidade de consenso entre o povo e o conservadorismo da elite nacional. O muro de Trump nos EUA e a perseguição aos imigrantes que tentam entrar na Europa, só evidenciam a contradição do discurso falido de liberdade produzido pelo sistema capitalista. Pois os povos que migram da periferia do mundo para os EUA e Europa, só o fazem porque foram saqueados historicamente e estão sendo massacrados pela ganância dos países centrais.

A Teia dos Povos seguindo as trilhas dos encantados abertas pelos nossos ancestrais convoca todos os trabalhadores, trabalhadoras, povos tradicionais e povos indígenas a tecer os fios do Bem Viver,1 alicerçado na defesa do território, na matriz Agroecológica e na construção da soberania alimentar. Elementos ancestrais cultivados com muita resistência pela memória biocultural dos nossos povos e, compõem uma ferramenta essencial na luta pela libertação da sociedade, que é oprimida cotidianamente pelo “globalitarismo2” imposto pela ordem do capital. É preciso entender que o ano de 2017 será de muita luta, muito trabalho e grandes conquistas; a ilusão da mudança através do voto não pode mais existir; rasgaram a constituição, e não haverá solução através das vias pacificas, da obediência ou da conciliação de classe.

Nessa perspectiva, em 2017 a Teia dos Povos tem seis grandes tarefas, a primeira: buscar e construir a grande aliança dos povos. A segunda: conquistar e garantir a terra e o território dos povos indígenas, dos quilombolas e todos os trabalhadores do campo. Terceira: contribuir para a recuperação dos biomas Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga. A Quarta: produzir sua auto- existência nas suas terras, no território e desenvolver a soberania alimentar. Quinta: construir uma economia para além do capital, e por último, construir as quatro grandes escolas – Escola do Arco e da Flecha, Escola Quilombola, Terreiro e Tambor; Escola das águas e Mares, Escola da Floresta do Cacau e do Chocolate.

Para celebrar a união dos Povos, a Teia invoca todos os encantados, caboclos, minkisi, voduns, orixás e a todos os guerreiros e guerreiras do povo para ecoar um grito que vem do Sul da Bahia, lugar onde começou a colonização dos povos originários do Brasil, pois, nem mesmo após 517 anos de exploração foram suficientes para apagar o sonho de uma construção coletiva, capaz de conectar sociedade, natureza e ancestralidade em um único elo de resistência e luta. Por isso simbolicamente a V Jornada de Agroecologia da Bahia será realizada em Porto Seguro nos dias 19 a 23 de abril, recordando a data da chegada dos Portugueses, na própria Mata Atlântica, o bioma que sofreu a primeira devastação do sistema agro-exportador, do qual o Brasil é refém até hoje. Os povos da Teia se propõem a cuidar e a co-evoluir juntos com nossa Mam´etu Utukilu (mãe natureza), cabrucando, semeando e reflorestando um novo tempo que virá!

O Momento é de compartilhar Nosso Bem Viver (projeto de sociedade), que passa pela construção de uma educação alicerçada com as sabedorias ancestrais dos nossos povos e a construção de uma ciência para além do capital e a serviço do povo. É tempo de recomeçar, a história pertence à mulher e ao homem que nunca desiste e não tem medo de lutar!

Dizendo ao povo que avance !!! Avançaremos

1 Para conhecer melhor o conceito do Bem Viver, visite http://www.cimi.org.br/pub/Porantim/2015/Encarte_Porantim381_dez2016.pdf

2 “Globalitarismo” é o nome dado por Milton Santos ao modo de globalização predominante no mundo
Fotografias por Sinistro Baiano

“JAMAIS SE CURVAR, LUTAR E APRENDER
ESCUTA MENINO, RAONI ENSINOU
LIBERDADE É O NOSSO DESTINO
MEMÓRIA SAGRADA, RAZÃO DE VIVER
ANDAR ONDE NINGÚEM ANDOU
CHEGAR AONDE NINGUÉM CHEGOU
LEMBRAR A CORAGEM E O AMOR DOS IRMÃOS
E OUTROS HERÓIS GUARDIÕES
AVENTURAS DE FÉ E PAIXÃO
O SONHO DE INTEGRAR UMA NAÇÃO
KARARAÔ… KARARAÔ… O ÍNDIO LUTA PELA SUA TERRA
DA IMPERATRIZ VEM O SEU GRITO DE GUERRA!”

Zuela de Paz

whatsapp-image-2017-01-08-at-10-49-53-pm

Leitura da Carta Zuela pela Paz, durante a 1ª reunião de formação sacerdotal e organização dos terreiros do campo da raiz do Caxuté

 

Mpembele Tat´etu Lemba…

Nós, candomblezeir@s, camdomblecistas, angoleir@s, lutadoras e lutadores do povo comprometidos com a justiça social, liberdade de culto e o bem viver. Saudamos ao nkisi Lemba, mestre da luz, senhor do sol (muilo) e do sopro da vida (nguzu), pedindo para que este ciclo anual seja repleto de paz, prosperidade e união entre todos que compartilham o desejo de ver a humanidade livre da opressão, violência e todo tipo de injustiça que aflige aos menos favorecidos. Rogamos a Nzambi (força de equilíbrio do universo): não permita que o sistema que dissemina toda forma de preconceito, racismo, discriminação e extermínio, destrua a esperança do povo, nem a Mam´etu Utukilu (Mãe Natureza).

            Anunciamos que a Ancestralidade Bantu, sintonizada com as energias dos povos vermelhos desta terra, ecoará por cada canto do mundo fazendo com que os caminhos (Njila) do Caxuté (Nkasuté) a partir de cada kitungu (fundamento), Mbebe (obrigação), kunda (assentamento) e Jingorosi (rezas), fortaleça o mutuê (cabeça) e mukutu (corpo) de cada mona (filh@) para que possam partilhar nguzu (energia vital que constitui a vida) por todo universo.

            Que esse ciclo anual, venha cheio de amor e nos dê muki (força) para garantir nossa soberania alimentar através da makuria (comida), que a Agroecologia ajude a semear nossas “Jinsaba” (folhas) para cuidarmos da saúde de cada enfermo.

            A Comunidade de Terreiro do Campo Caxuté, se banha na menha de Lemba (água do ancestral da luz) para fortalecer os caminhos da nossa Nzo, fazendo com que os Mikisi, caboclos e encantados nos dê Ngangu (sabedoria) para trilharmos nossos trabalhos, projetos e militância. Nzambi permita que a cada dia ao nascer de muilo (sol), tenhamos mais coragem para manter o compromisso com nossos ancestrais que nos guiaram até aqui em atos de resistência, permitindo que Caxuté cultive e seja guardião da Ndanji (raiz) Bantu.

Moko iú Nzambi,

07 de janeiro, Comunidade Caxuté – Costa do Dendê – Bahia – Brasil

 

 

Anexo

15749696_1208990315855103_363300262_n.jpg

Zuela ao mundo

Mam´etu Kafurengá, em atividade na UFRB – Amargosa/BA. Créditos à Juliana Santana 

Bandagira…

Nós, candomblezeir@s, angoleir@s, camponesas, educador@s, estudantes e demais trabalhador@s viemos por meio deste zuelar, cantar, algumas palavras ao mundo, rogando a Nzambi que estas possam reverberar nos corações de cada um ser que co-habita a terra. Saudamos à Mam´etu Kafurengá (Mãe Barbara de Cajaíba) sacerdotisa máxima da Comunidade Caxuté por mais um ciclo que Nzambi concede em sua vida, atualizando sua vivência no mundo para seus 43 anos de idade. Sakidila!

Apesar deste ano, não podermos realizar o 9° Encontro Afro-Ecumênico – ENAFRO (devido a passagem da kota Kaiá Nkosi, Helenita Aguiar de Sousa, no dia 3 de novembro) a Comunidade Caxuté reforça sua luta incondicional em defesa da liberdade religiosa, ainda mais em tempos de ódio e violação dos direitos sociais duramente conquistados e ainda em disputa dentro da sociedade brasileira que ainda carrega um forte ranço colonial e escravocrata em sua estrutura de poder.  Não podemos nos calar enquanto os princípios da laicidade e da democracia ainda em construção sofrem retrocessos e ataques que tentam calar vozes que há séculos denunciam as mazelas do racismo, discriminação e opressão amordaçados no mito da democracia racial.

Estamos atravessando a década internacional dos afrodescendentes, ainda sim, à comunidade afro-brasileira sofre duros golpes como o ataque à membros de terreiros, a templos religiosos afro-brasileiros, a criminalização da liturgia praticada nos cultos de Candomblé e o genocídio devastador que extermina a cada 23 minutos um jovem negro no Brasil.

As políticas afirmativas e ações reparatórias são apenas algumas das medidas que a sociedade brasileira deve implementar para avançar na superação das injustiças e desigualdades com que trata filhos dos povos que a menos de um século e meio o estado brasileiro ainda tratava “oficialmente” como objeto que tinha um dono, um senhor.

A educação nos parece o caminho mais sólido para que superemos tamanha injustiça e preconceito capazes de “aprisionar” mentes e roubar de alguns de nós o que nos torna humanos “o ato pensar”. O Candomblé para os povos Bantu é um ponto de sintonia com a natureza, é o ato de compartilhar a ancestralidade presente em cada um de nossos mutue (cabeça), pois, ao celebrar nossa história, partilharmos kudia (comida), saudarmos a natureza e girarmos nosso Jamberesu (prática litúrgica do culto aos/as Mikisi) é que estamos circulando o Ubuntu (sou porque somos) e assim reconectando e construindo sabedorias.

Recebemos com muita expectativa e esperança, os temas de redação das duas provas do Enem realizados em 2016, “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil” e “Caminhos para combater o racismo no Brasil” ao tempo que reiteramos o apoio incondicional a lei 11645-08 que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e indígena de maneira que não seja restringida por meio de reforma na LDB.

Kiuá Matamba, Uambulu Nsema, Kaiongo! Que nossa mam´etu ancestral sopre bons ventos sobre cada um ser. Mpembele Uambulu Nsema!

Comunidade Caxuté, Costa do Dendê – Bahia, 04 de dezembro de 2016